Acesso às consultas do SCPC.
       
  Código: Senha: 
   Terça-feira, 22 de Agosto de 2017. Seja bem vindo!
 

Página InicialQuem SomosEstatutoSCPCSRCCálculo de DívidaJUCESPParcerias & ConvêniosVideotecaContatoNotícias ACESalas para Locação
 
 




 



Inadimplência das empresas deve permanecer estável em 2017, aponta pesquisa da Boa Vista SCPC

01/06/2017 - Pesquisa realizada pela Boa Vista SCPC, referente ao 2º trimestre, com cerca de 600 empresas de todo o Brasil, constatou que as taxas de inadimplência, até o término do ano, deverão ficar iguais ou menores às registradas em 2016. Esta é a percepção de 69% da amostra consultada, sendo que 47% apontaram para uma possível manutenção dos níveis de inadimplência, enquanto 22% indicaram queda destes índices. Em contrapartida, 25% disseram que a inadimplência em 2017 será superior. A pesquisa foi realizada entre 11 de abril e 2 de maio.

Na opinião do economista da Boa Vista SCPC, Flávio Calife, a manutenção ou mesmo a queda da inadimplência esperada pelas empresas corrobora os dados do Indicador de Inadimplência das Empresas divulgado trimestralmente, que iniciou o ano com leve queda de 0,3%, na comparação com o mesmo período de 2016. Na análise da tendência (medida pelos valores acumulados nos últimos 4 trimestres frente aos 4 trimestres anteriores) o mesmo indicador também apresentou consecutivas desacelerações até o 1º trimestre deste ano, quando cresceu apenas 0,6%.

Também de acordo com a pesquisa, quando questionados sobre o nível de endividamento de suas empresas em 2017, 26% dos respondentes afirmaram que já é superior ao de 2016. No 1º trimestre de 2017 esse percentual era de 18%. Na comparação por setor, 29% das empresas do Comércio disseram que o endividamento aumentou. No 1º trimestre deste ano o percentual era de 16%. Por porte, as Pequenas empresas são as que mais sentiram um aumento do endividamento (35%).
Em relação ao faturamento, as empresas do setor da Indústria são as mais otimistas. 53% das empresas desse setor acreditam que o faturamento irá crescer em 2017. Por porte, as Grandes empresas são as mais otimistas (71%).

Já com relação à intenção de demandar crédito, o total de empresas que neste 2º trimestre espera não pedir mais crédito em 2017 foi de 43%, registrando aumento de 9p.p. frente ao resultado observado no trimestre anterior. Em contrapartida, 32% delas têm a expectativa de demandar mais crédito até o final de 2017. Por setor, 45% das empresas do Comércio não tomarão mais crédito no ano. Comparado ao trimestre anterior, este percentual registrou crescimento de 12p.p, passando de 33% para 45%.

Das empresas que declararam procurar por novas linhas de crédito, aumentou de 18% para 27% as que disseram que o principal motivo é o pagamento de empréstimos e credores. Em contrapartida, recuou de 48% para 35% as que tomarão crédito com a finalidade de realizar novos investimentos.

Quando questionadas sobre os motivos que as levaram a tomar mais crédito, no setor de Serviços a maior parte (39%) afirmou que é para pagar empréstimos. Já no Comércio, a maioria (52%) vai alavancar o capital de giro; e no setor da Indústria, 45% vão usar os recursos para novos investimentos.

[ voltar ]





Quem é associado a ACE possui várias vantagens, entre elas inúmeros convênios com diversas entidades, desde planos médicos e odontológicos até cinemas.



(19) 3634-4300



      Amigo associado,

     "Neste início de gestão, gostaria de traçar os principais objetivos que iremos buscar neste biênio. Antes de tudo, deixo claro que esta é uma gestão de continuidade: herdamos uma estrutura administrativa fantástica, que trabalha em consonância com as ações propostas pela diretoria, e permite que todos os projetos sejam realizados da melhor forma possível.
      De antemão, assumimos o compromisso da transparência fiscal e a performance sustentável da entidade, gerando valor para diretores, colaboradores, clientes e sociedade, garantindo a perenidade dos nossos negócios. O valor vai além do resultado financeiro e pressupõe uma relação equilibrada e benéfica para todos.
      Partindo dessa perspectiva, definimos dois focos estratégicos de atuação: a excelência no atendimento, serviços e produtos oferecidos aos associados e a integração do comércio de toda a cidade, juntamente com Águas de Prata.
      Na busca por esses objetivos, procuraremos cumprir com o propósito de sermos agentes de transformação e contribuir, por meio dos nossos negócios e ações, para a construção de uma sociedade mais saudável, justa e equilibrada".